O Conselho Regional de Farmácia do RN (CRF-RN) vem a público se posicionar de forma contrária à modalidade de graduação realizada integralmente à distância. Esse formato de ensino configura-se como um verdadeiro retrocesso na formação dos novos farmacêuticos no Brasil. O CRF-RN defende a importância fundamental da teoria aliada à prática na construção das habilidades e conhecimentos do profissional farmacêutico.

Repudiamos a Portaria Normativa do Ministério da Educação número 11, de 20 de junho de 2017, que regulamenta o Decreto nº 9057, de 25 de maio de 2017, com o objetivo de ampliar a oferta de cursos superiores na modalidade à distância.

Cabe lembrar que o curso de Farmácia é um curso da área da Saúde que deve oferecer conhecimento não apenas técnico, mas humanístico e esse viés humano só pode ser captado no contato direto com o paciente, na interação e observação, na práxis do cotidiano, o que é inviável no plano virtual.

Ademais, um profissional formado “online” não terá acesso à prática clínica, à vivência nos laboratórios, não manuseará equipamentos e instrumentos específicos do curso de Farmácia, portanto, sua formação técnica é incompleta, ineficaz e perigosa para a população. Neste cenário, resta clara que a formação integral na modalidade EaD desconsidera, acima de tudo, o paciente – destinatário final de toda a formação profissional.

Assim, a não adesão deste CRF à formação EaD em Farmácia ocorre sobretudo em apoio à população que, já tão carente de atendimento de qualidade em saúde, sofrerá mais esse impacto na assistência à saúde. Isso porque a má formação do futuro profissional abala a segurança no atendimento farmacêutico de toda a comunidade.

O CRF-RN acredita que a introdução de novas tecnologias da informação na educação é válida e essencial. Contudo, a tecnologia deve servir para o benefício da coletividade e não para degradar um quadro de educação e saúde já extremamente deficitário no país.

 

ead em farmacia - nota de repudio