Duas pesquisas desenvolvidas por farmacêuticos nos Laboratórios de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos Cosméticos e de Farmacognosia da UFRN foram premiadas no XXIII Congresso Latino-americano e Ibérico de Químicos Cosméticos, que ocorreu em Cancún, no México, e no 30º Congresso Brasileiro de Cosmetologia, que foi realizado em São Paulo.

Os dois trabalhos premiados foram orientados pelos professores Márcio Ferrari e Raquel Brandt Giordani, do Departamento de Farmácia e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da UFRN.

A pesquisa premiada no Congresso latino-americano foi desenvolvida pela pós-graduanda Stella Maria Andrade Gomes Barreto e aborda o uso do resíduo industrial de Agave sisalana (planta conhecida popularmente como Sisal) como uma nova matéria-prima para indústria cosmética. Além disso, o estudo trata do desenvolvimento de uma nanoemulsão e ainda da comprovação clínica da atividade hidratante da matéria-prima em um produto nanotecnológico. O trabalho traz contribuições para diminuição do impacto ambiental e agrega valor à cadeia produtiva do sisal, incluindo aspectos socioeconômicos para os produtores de sisal.

O prêmio foi ofertado pela International Federation of Societies of Cosmetic Chemists, prêmio “José Joaquim Perez Villalba” ao melhor trabalho desenvolvido com matérias-primas de origem latino-americana.

É a segunda vez que o Brasil ganha esse prêmio, e a primeira vez que uma Universidade brasileira conquista a premiação. Os premiados receberam certificado, U$2,000.00 e uma placa, que será entregue ao próximo país ganhador em 2019.

O desenvolvimento da pesquisa contou com a bolsa de estudos da Capes e teve colaboração da empresa Sisaltec (empresa de produção de sisal do RN), que forneceu o resíduo para a execução da pesquisa e empresas fornecedoras de matérias-primas cosméticas como a Lubrizol do Brasil e a Croda do Brasil.

Ainda em 2016, o trabalho científico da parte inicial da pesquisa também já havia sido premiado em primeiro lugar em Workshop do XXVII Congresso de Iniciação Científica e Tecnológica 2016, realizado pela Pró-Reitoria de Pesquisa da UFRN.

Já a premiação nacional do 30º Congresso Brasileiro de Cosmetologia, realizado pela Associação Brasileira de Cosmetologia, ficou com a pesquisa potiguar desenvolvida pelo doutorando Gabriel Azevedo de Brito Damasceno. Os estudos abordam o potencial uso da Prosopis juliflora como uma nova matéria-prima cosmética e aplicação hidratante.

A Prosopis julifloraI, conhecida popularmente como algaroba, é uma planta considerada invasora da Caatinga e o trabalho além de trazer alternativas comerciáveis para a cadeia produtiva, também apresentou perspectivas de otimização de um processo de extração mais “verde”, com racionamento de solventes orgânicos, menor tempo, custo e melhor rendimento do processo, o que diminui os danos ambientais e reflete na sustentabilidade.

O prêmio foi ofertado pela Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC) e consistiu em um troféu, R$3.500,00 e 5 cursos ofertados pela ABC com o objetivo de aprimoramento de conhecimentos técnicos-científicos na área de cosméticos. A pesquisa premiada tem o auxílio da Capes por meio de bolsa de estudos e, já tem depósito de patente no INPI. A ideia é utilizar essa matéria-prima para o desenvolver um produto hidratante sólido, uma inovação no mercado.

 

montagem premiacao - intagram